NOVA ANDRADINA: Frio e calculista, filho pode ter planejado a morte da mãe

Compartilhe

Matheus Gabriel Gonçalves dos Santos, de 18 anos / Imagens: Arquivo pessoal

Marta Gouveia dos Santos, de 37 anos, foi morta com requintes de crueldade

Matheus Gabriel Gonçalves dos Santos, de 18 anos, preso suspeito de matar a própria mãe, Marta Gouveia dos Santos, de 37 anos, no dia 23 do mês passado, pode ter planejado a morte da ciclista.

O Jornal da Nova apurou que Matheus, dois dias antes de Marta Gouveia aparecer morta, teve duas brigas com a mãe, na quinta-feira e sexta-feira (20 e 21). A mãe chegou a ir à casa de uma das irmãs e desabafou sobre o ocorrido.

Entre os motivos seria que Marta Gouveia planejava ir embora da cidade e não levar Matheus com ela. O jovem teria dito no início das investigações que ele era fruto de um amor proibido da mãe. Matheus Gabriel é filho do primeiro casamento de Marta.

Dois dias depois da briga e 15 dias sem pedalar, Marta Gouveia inicia seu pedal logo cedo no domingo (23), antes de sair, às 5h45, envia mensagens para uma amiga dizendo que iria pedalar e tinha combinado de almoçar juntas naquele dia. Assim que a amiga acordou, por volta das 7h45, enviou mensagens para Marta, mas as mensagens não chegaram.

Apenas a amiga e o filho sabiam do retorno de Marta Gouveia ao pedal. Até o trajeto que ela acostumava fazer Matheus sabia, tanto que, ajudou a realizar buscas pela mãe quando foi dada como desaparecida no dia do crime, informando os caminhos que ela poderia ter feito.

Ao Jornal da Nova, amigos de Marta Gouveia, que preferem o anonimato, relataram que no velório e sepultamento o jovem não demonstrava dor pela morte da mãe, a todo o tempo com risos e como se nada tivesse acontecido. “Isso foi percebido por alguns familiares, mas ninguém queria comentar a respeito”, disseram.

Na quebra de sigilo telefônico, o Jornal da Nova apurou que Matheus, dias antes da morte de Marta, teria colocado o chip dele no celular da mãe e no dia do crime, por volta das 8h20, ele tirou e colocou no aparelho dele, por volta das 13h30, isso demonstra que ele foi calculista, teria planejado o crime.

Na sua frieza, além de estar no velório, ele sabendo que a mãe estava morta, ajudou nas buscas pelo desaparecimento, chegando a passar pelo local onde o crime foi cometido.

Também quando chegou ao local do crime, após a descoberta da morte, segundo populares ele estava frio, única coisa que falava que iria cuidar dos irmãos e por vezes dizia que iria “pegar quem tinha feito aquilo com a mãe”.

Passados alguns dias, o atual marido de Marta Gouveia, se mudou de Nova Andradina com medo das atitudes do enteado, largou a casa e foi para Dourados.

Pelas informações repassadas à reportagem, Marta Gouveia era evangélica e os filhos desde pequeno participavam da igreja.

Matheus durante o interrogatório na audiência de custódia se contradisse por diversas vezes e divergia sobre os fatos. Negou que matou a mãe.

Segundo a delegada da DAM (Delegacia de Atendimento à Mulher) Daniella Oliveira, as investigações do respectivo caso não foram finalizadas e continuam em andamento. Contudo, diante o caráter sigiloso, todas as demais informações e maiores detalhes serão repassados em coletiva de impressa a ser marcada.

A DAM desde o primeiro momento teve apoio da SIG (Seção de Investigações Gerais) da Delegacia de Nova Andradina, sob coordenação do delegado Guilherme Scucuglia Cezar. No decorrer das investigações, foram ouvidas várias testemunhas, amigos, familiares e conhecidos. Várias horas de filmagens de câmeras de segurança de vários pontos da cidade foram analisadas, uma série de diligências foram feitas desde o início das investigações e ainda continuam.

O crime

Marta Gouveia dos Santos, de 37 anos – Foto: Redes sociais

Marta Gouveia dos Santos, de 37 anos, estava desaparecida desde às 6h30 de domingo (23), quando saiu para pedalar e não voltou para casa. Familiares e amigos chegaram a compartilhar a foto da mulher nas redes socais e foram em busca de Marta nos locais onde ela sempre pedalava.

O corpo foi encontrado por um casal de amigos, por volta das 16h20, à margem da segunda alça do anel viário que liga a rodovia MS-276 com a MS-134, saída para Batayporã, em Nova Andradina.

Após necrópsia, Marta levou 30 golpes de objeto perfurante, sendo 24 no pescoço e seis na região da cabeça. Há indícios de ser crime sexual, uma vez que somente o laudo pericial poderá constatar.

Fonte: Jornal da Nova / Ivinoticias